sábado, 13 de fevereiro de 2016

Ele!

Depois de atravessar um deserto longo e gelado, vencer a secura da desilusão e o oásis da ilusão, o reencontrei num lugar qualquer, já estava sentindo o reencontro, de repente uma felicidade surgiu no peito. Ao vê-lo algo dentro de mim foi despertado, uma alegria floresceu, por instantes flutuei, queria que o tempo não passasse, não queria perdê-lo de vista, queria ficar perto, uma atração irresistível nos unia como um ímã. E para consagrar nosso reencontro, duas estrelas cadentes caiam lindas no céu, enquanto ele me contava animado uma história que eu não conseguia assimilar, pois as estrelas me mostravam que ele era especial e este encontro estava escrito nelas. Depois disso, despedir dele foi um sacrifício. Saudade foi um sentimento frequente no meu peito. Fiquei assustada com minhas emoções, tentei disfarçar que eu estava diferente para mim mesmo. Tentei me convencer que era carência e solidão. Mas por que isso não aconteceu antes? Tantas oportunidades, tantas pessoas! Não! Definitivamente não! Ele despertou em mim uma emoção que muito tempo havia perdido, derretendo meu escudo protetor de sensações. Senti-me nua ao seu olhar. Era como se ele tentasse ler minha alma, eu me escondia, mas ele insistia, fiquei muito incomodada com isso. Com ele, não conseguia disfarçar, nem me esconder. Tentei resistir ao que meu coração queria. E não consegui. Segui. Recuei. Obedecia o coração de novo. Pensava quão ridícula eu estava! Não resisti. Era mais forte que eu. Meu coração me guiou. Ao pensar nele meu coração pulsava. Perguntava-me se estava ficando louca. Não poderia ser. Isso não está acontecendo. E agora? O que ele tem que me desestabiliza? O que ele possui que me tira o raciocínio? O que ele tem que me deixa perdida e fora do tempo? Por que perco o controle de tudo na sua presença? Tudo foi rápido, quase não acompanhei este velho coração apaixonado que estava apressado, queria viver e recuperar o tempo perdido, pois agora estava vivo e pulsante em meu peito. Eu que há muito tempo não era tocada no corpo, quanto mais na alma, enlouqueci literalmente. Labaredas de fogo incendiavam meu corpo. O desejo tomou conta de mim. Não me possuía mais, me deixei levar. Dias de ansiedade me consumiam, sem resposta. Tamanho o desespero do meu ser. “Isto é um teste, não está acontecendo e se estiver, vai passar.”___ era o meu consolo nos dias seguintes. Me perdi em tanta ansiedade, estava feliz e louca, este foi meu estado de graça por uns dias. Entreguei completamente minha alma, meu corpo não consegui, não por mim, fui até onde me senti à vontade. Estava destreinada e insegura. Por muito tempo, sexo foi uma palavra que retirei de meu dicionário. 

O que ele sente, eu não sei. Quem sabe? Acho que nem ele. Sinto que gosta de mim. Sinto seu carinho ao me olhar. Mas sou suspeita para falar. Não tenho certezas. Ele também não deve ter. Ele tem medo de se envolver. E se sente algo, quer se negar a sentir. Não se sentiu seguro em abrir o coração, de seus sentimentos não sei nada. Mas quem colocaria seu coração nas mãos de uma louca? Somente loucos fazem isso. Somente os loucos tem coragem de amar. Quem vai sair de sua comodidade para se entregar ao outro de corpo e alma? Quem quer mostrar que é frágil para o outro? Ninguém quer. Eu não queria. Mas minhas armas foram destruídas. Minhas forças foram se esvaindo e não resisti. Eu tentei. Eu lutei. Ainda luto. Digo para mim que foi apenas corpo. Uma atração fatal! Mas minha alma chora um amor que não foi vivido. Alguma coisa ficou inacabado no meu coração. Nem todos estão abertos para o amor. Nem todos querem ser loucos. Nem todos se deixam levar. Palavras não ditas, sentimentos transbordantes no ar e no olhar. Será loucura do meu coração? Será ilusão da minha alma? E por que não o esqueço? O que ganharei plantando uma ilusão no meu coração? Por que não sai do meu coração esse amor? E este desejo que ficou impregnado nos meus poros? Por que renegar o amor? Se o amor é tudo que nós temos e tudo que somos! Somente o amor é real, todo o resto é ilusão! Mas será que é amor? Paixão, desejo, amor, sei não...
O importante é que o coração saiu da inércia, ele ainda está vivo, pulsante, agora eu sei. Sou grata por este ser despertar em mim a vontade de viver e de amar. Gratidão por ele ser tão especial, meu Deus!

11/02/2016